RASTILHO DE PÓLVORA ESTÁ ACESO

sexta-feira, 29 de março de 2013

PÁSCOA

 
Páscoa (do hebraico Pessach), significando passagem através do grego Πάσχα) é um evento religioso cristão, normalmente considerado pelas igrejas ligadas a esta corrente religiosa como a maior e a mais importante festa da Cristandade Católica. Na Páscoa os cristãos católicos celebram a Ressurreição de Jesus Cristo depois da sua morte por crucificação (ver Sexta-Feira Santa) que teria ocorrido nesta época do ano em 30 ou 33 dC. A Páscoa pode cair em uma data, entre 22 de março e 25 de abril. O termo pode referir-se também ao período do ano canônico que dura cerca de dois meses, desde o domingo de Páscoa até ao Pentecostes.

HILTON NO CONTROLE

Deputado Hilton Aguiar fala na Alepa sobre a construção do Hospital Regional do Tapajós em Itaituba

Na sessão de hoje na Assembleia Legislativa do Estado, o deputado Hilton Aguiar, pediu aparte no discurso do Deputado Junior Hage, onde falou do lançamento do edital para construção do HOSPITAL DO TAPAJÓS EM ITAITUBA, que terá a abertura das propostas no dia 02 de maio deste ano. O HOSPITAL DO TAPAJÓS EM ITAITUBA, é a mais importante obra na área de saúde da Região do Tapajós, que abrange os municípios de Aveiro, Rurópolis, Itaituba, Trairão, Jacareacanga e Novo Progresso. http://www.hiltonaguiar.com

quinta-feira, 28 de março de 2013

MUNDURUKU EM PÉ DE GUERRA

Povo Munduruku informa desembarque de tropas para esta quinta-feira, 28, e dizem temer massacre
 
Tropas da Companhia de Operações Ambientais da Força Nacional de Segurança Pública, criada por decreto presidencial no último dia 12 de março, estão posicionadas em Itaituba preparadas para a execução da Operação Tapajós. Conforme informações dos indígenas, os soldados e agentes deverão desembarcar em aldeia Munduruku nesta quinta-feira, 28, para garantir realização dos estudos de impacto do Complexo Hidrelétrico do Tapajós, no Pará.

A denúncia foi feita pela Associação Indígena Pusuru, em carta divulgada nesta quarta-feira, 27. Os indígenas relatam que foram informados, em reunião com a Fundação Nacional do Índio (Funai), em Itaituba, que um grupo de 60 homens da Força Nacional irá para a aldeia Sawre Muybu, também em Itaituba.

No documento, os Munduruku denunciam o governo, que  "vem mandando seu exército assassino para nos ameaçar e invadir nossas aldeias" e temem um novo massacre, "porque há 4 meses atrás numa operação chamada Eldorado foi morto um parente e vários ficaram feridos inclusive crianças, jovens e idosos".

Cerca de 250 homens fortemente armados estão posicionados em Itaituba para a realização da Operação Tapajós. Agentes da Polícia Federal, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal e Força Aérea foi deslocado para as proximidades da Terra Indígena Munduruku com o objetivo de realizar - à força - o estudo integrado de impactos ambientais para a construção do chamado Complexo Hidrelétrico do Tapajós.

O Ministério Público Federal pediu à Justiça Federal em Santarém que impedisse a realização de uma operação policial do governo federal, porque o licenciamento ambiental da usina está suspenso pela mesma Justiça por falta das consultas prévias aos índios. Porém, o juiz Federal indefiriu o pedido. Valendo-se do feriado prolongado da Semana Santa, tradicionalmente maior para o Poder Judiciário, o governo federal desenvolve a operação de guerra.

Leia carta na íntegra:
        
CARTA DO POVO MUNDURUKU

Nós! Caciques, lideranças e guerreiros do povo Munduruku sempre lutamos e continuaremos lutando em defesa de nossas florestas, nossos rios, e de nosso território pois é de nossa mãe natureza que tiramos tudo que precisamos para sobreviver, mas o governo que devia nos proteger, vem mandando seu exército assassino para nos ameaçar e invadir nossas aldeias, ultimamente nosso povo vem sendo desrespeitado vem sendo, ameaçado por um  governo  ditador que vem ameaçando e  matando nosso povo, usando suas forças armadas como se os povos indígenas fossem terroristas ou bandidos.

Nós, povo Munduruku, repudiamos essa maneira ditadora da presidenta que governa o País. Não aceitamos que policias entrem em nossas terras sem a nossa autorização para qualquer tipo de operação. É um povo especial! Um povo que já existia muito antes deles chegarem aqui, nessa terra onde chamam de Brasil. Brasil é a nossa terra! Somos nós os verdadeiros brasileiros.
 
Essa semana o governo brasileiro mandou 250 policiais para garantir a força os estudos das hidrelétricas nas nossas terras.
 
Hoje pela manhã foi decidido na sede da FUNAI em ITAITUBA que 60 homens da Força Nacional irão para a Aldeia sawre muybu, cumprir o decreto expedido pela Presidenta da Republica do dia 12 de março, é uma Aldeia com 132 Indígenas. Estamos muitos preocupados porque há 4 meses atrás numa operação chamada Eldorado foi morto um parente e vários ficaram feridos inclusive crianças, jovens e idosos, na Aldeia Teles Pires.
 
O governo marcou uma reunião para dia 10 de abril para falar dessa operação. Mas uma vez esse governo está quebrando acordo com o povo Munduruku, por isso não queremos mais reunir com esse governo até que ele pare com essa ação contra a decisão do nosso povo. Pedimos a ajuda do Ministério Publico Federal, para nos ajudar a resolver esses problemas sem que haja mais mortes. Pois não ficaremos de braços cruzados vendo tamanho desrespeito com nosso povo e nosso território.

Povo Munduruku
Jacareacanga, 27 de março de 2013
 
Governo Federal monta nova operação de guerra contra o povo Munduruku

Depois de sofrer ataque da Polícia Federal em novembro de 2012, durante a Operação Eldorado, que resultou no assassinato do indígena Adenilson Kirixi e na destruição da aldeia Teles Pires, o povo Munduruku, que vive na divisa do Pará com o Mato Grosso, está prestes a sofrer mais um violento ataque policial e militar. De acordo com informações de observadores locais, cerca de 250 homens fortemente armados estão posicionados em Itaituba (PA) para a realização da agora denominada Operação Tapajós.
 
Após receber sinal verde da presidenta Dilma Rousseff, um contingente com agentes da PF, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal e Força Aérea foi deslocado para as proximidades da Terra Indígena Munduruku com o objetivo de realizar - à força - o estudo integrado de impactos ambientais para a construção do chamado Complexo Hidrelétrico do Tapajós.
 
Há alguns anos o povo Munduruku vem se posicionando firmemente contra qualquer empreendimento envolvendo o referido Complexo Hidrelétrico em suas terras já demarcadas ou tradicionalmente ocupadas. Os procuradores da República que denunciaram à Justiça Federal de Santarém a flagrante ilegalidade da Operação Tapajós são os mesmos que investigam os danos da Operação Eldorado; dizem temer por uma repetição do deplorável episódio. Afirmam os procuradores que o clima é de tensão.   
 
Entre os dias 18 e 23 de fevereiro, 20 lideranças Munduruku estiveram em Brasília para cobrar reparações dos danos causados pela Operação Eldorado e, apesar da insistência do governo, se negaram a discutir a construção de usinas hidrelétricas. Na ocasião, o ministro Gilberto Carvalho afirmou que a negativa dos indígenas era ruim para o governo, mas ficaria ruim também para eles, Munduruku. No dia 12 de março, a presidenta Dilma Rousseff baixou o decreto nº 7.957 – que cria o Gabinete Permanente de Gestão Integrada para a Proteção do Meio Ambiente, regulamenta a atuação das Forças Armadas na proteção ambiental e altera o Decreto nº 5.289, de 29 de novembro de 2004.
 
Com esse decreto, “de caráter preventivo ou repressivo”, foi criada a Companhia de Operações Ambientais da Força Nacional de Segurança Pública, tendo como uma de suas atribuições “prestar auxílio à realização de levantamentos e laudos técnicos sobre impactos ambientais negativos”. Na prática isso significa a criação de instrumento estatal para reprimir toda e qualquer ação de comunidades tradicionais, povos indígenas e outros segmentos populacionais que se posicionem contra empreendimentos que impactem seus territórios.
 
Com essas medidas, o governo federal demonstra claramente que não está disposto a ouvir as populações afetadas pelos grandes projetos, a exemplo das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Substitui os instrumentos legais de escuta às comunidades - como a consulta prévia assegurada pela Convenção 169 da OIT - pela força repressora do Estado e transforma os conflitos socioambientais em casos de intervenção militar. Dessa forma, os direitos dos povos passam a ser tratados como crimes contra a ”ordem pública”, caminhando para um Estado de Exceção.
 
Essas ações do governo brasileiro confirmam a tese apresentada pelo sociólogo Boaventura de Sousa Santos quando afirma que atualmente vivemos em sociedades politicamente democráticas, mas socialmente fascistas, onde toda dissidência é criminalizada.
 
Em plena Semana Santa, Cristo segue seu calvário e é crucificado junto com os Munduruku e os demais povos indígenas no Brasil. 
 
Conselho Indigenista Missionário – Cimi Brasília, 27 de março de 2013       
___________
Encaminhada por email - Míster JJUM 
Ilustração RP

TEMPORADA DE INTERVENÇÃO - A DOMINAÇÃO

Jacareacanga - Nas esquinas e becos da cidade mesmo em conversas desencontradas sobre a Operação Tapajós e seu raio de ação que está colocando em operação mais de uma centena de homens, segundo informes de telejornais, para garantir Estudos de Impactos que ocorrerão com  construções de barragens no Tapajós,  a aparente tranquilidade, é sacudida por  boatos, que deixa a população mais inquieta.

No seio tribal dos indios Munduruku, nas Terras Indigenas Sai Cinza e Munduruku, que será impactada social, ambiental e culturalmente pelos projetos, a calmaria dos indigenas causa certa preocupação, ja que não há movimento algum. A preocupação que nos chega é por conhecermos e muito o povo Munduruku, e saber de seu lado guerreiro e que agem na surdina e de surpresa, e da decisão na Assembleia realizada recentemente na Aldeia Sai Cinza, de impedirem pela força se for possivel a realização de estudos ou qualquer intervenção na area indigena. Preocupa tambem é,  historicamente sabermos que o Brasil foi descoberto depois de uma grande calmaria...

Se essa operação pudesse ser suspensa... quem vai pagar por isso?

Tememos por vidas que podem ser perdidas, como do Indigena Adenilson  Krixi Munduruku morto violentamente na Operação Eldorado, os parentes estão ainda de luto por essa vida ceifada, há dor, saudades, creio ser hora de se parar tudo e tentar entendimentos. Formo a bancada indigenista na Câmara Municipal, me deêm oportunidade, transporte, tempo, suporte, que iremos dentro da Terra Indigena tentar conversar... apaziguar.

Vejam o rastro de violencia no Teles Pires o que resultou:


É isso que voces querem?

QUEBRA DE DECORO

Camara não aceitou denuncia contra vereador Isaque

A Câmara apreciou e votou na sessão de hoje, representação apresentada pelo advogado Adalberto Viana contra o vereador Isaac Dias por quebra de decoro parlamentar.
Isaac safou-se por oito votos a três. A representação foi arquivada.
Os vereadores Nicodemos Aguiar, do PSC, e Iamax Prado e Célia Martins, do PMN, foram os votos pela acolhida da representação - http://deckmelo.blogspot.com/

EXIGÊNCIA DESCABIDA


O CALVÁRIO DOS MUNDURUKU

Mais uma arbitrariedade do Governo dilma


Governo Federal monta nova operação de guerra contra o povo Munduruku
Depois de sofrer ataque da Polícia Federal em novembro de 2012, durante a Operação Eldorado, que resultou no assassinato do indígena Adenilson Kirixi e na destruição da aldeia Teles Pires, o povo Munduruku, que vive na divisa do Pará com o Mato Grosso, está prestes a sofrer mais um violento ataque policial e militar. De acordo com informações de observadores locais, cerca de 250 homens fortemente armados estão posicionados em Itaituba (PA) para a realização da agora denominada Operação Tapajós.

Após receber sinal verde da presidenta Dilma Rousseff, um contingente com agentes da PF, Força Nacional, Polícia Rodoviária Federal e Força Aérea foi deslocado para as proximidades da Terra Indígena Munduruku com o objetivo de realizar - à força - o estudo integrado de impactos ambientais para a construção do chamado Complexo Hidrelétrico do Tapajós.

Há alguns anos o povo Munduruku vem se posicionando firmemente contra qualquer empreendimento envolvendo o referido Complexo Hidrelétrico em suas terras já demarcadas ou tradicionalmente ocupadas. Os procuradores da República que denunciaram à Justiça Federal de Santarém a flagrante ilegalidade da Operação Tapajós são os mesmos que investigam os danos da Operação Eldorado; dizem temer por uma repetição do deplorável episódio. Afirmam os procuradores que o clima é de tensão.   

Entre os dias 18 e 23 de fevereiro, 20 lideranças Munduruku estiveram em Brasília para cobrar reparações dos danos causados pela Operação Eldorado e, apesar da insistência do governo, se negaram a discutir a construção de usinas hidrelétricas. Na ocasião, o ministro Gilberto Carvalho afirmou que a negativa dos indígenas era ruim para o governo, mas ficaria ruim também para eles, Munduruku. No dia 12 de março, a presidenta Dilma Rousseff baixou o decreto nº 7.957 – que cria o Gabinete Permanente de Gestão Integrada para a Proteção do Meio Ambiente, regulamenta a atuação das Forças Armadas na proteção ambiental e altera o Decreto nº 5.289, de 29 de novembro de 2004.

Com esse decreto, “de caráter preventivo ou repressivo”, foi criada a Companhia de Operações Ambientais da Força Nacional de Segurança Pública, tendo como uma de suas atribuições “prestar auxílio à realização de levantamentos e laudos técnicos sobre impactos ambientais negativos”. Na prática isso significa a criação de instrumento estatal para reprimir toda e qualquer ação de comunidades tradicionais, povos indígenas e outros segmentos populacionais que se posicionem contra empreendimentos que impactem seus territórios.

Com essas medidas, o governo federal demonstra claramente que não está disposto a ouvir as populações afetadas pelos grandes projetos, a exemplo das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Substitui os instrumentos legais de escuta às comunidades - como a consulta prévia assegurada pela Convenção 169 da OIT - pela força repressora do Estado e transforma os conflitos socioambientais em casos de intervenção militar. Dessa forma, os direitos dos povos passam a ser tratados como crimes contra a ”ordem pública”, caminhando para um Estado de Exceção.

Essas ações do governo brasileiro confirmam a tese apresentada pelo sociólogo Boaventura de Sousa Santos quando afirma que atualmente vivemos em sociedades politicamente democráticas, mas socialmente fascistas, onde toda dissidência é criminalizada.

Em plena Semana Santa, Cristo segue seu calvário e é crucificado junto com os Munduruku e os demais povos indígenas no Brasil. 

Conselho Indigenista Missionário – Cimi

Brasília, 27 de março de 2013       
_____
Titulo RP 
Materia encaminhada pelo indigenista indignado indigesto Míster JUMM

PINTO DE PRETO

A MARIA ESTAVA NO CABELEREIRO, ENCONTROU UMA AMIGA E PERGUNTOU:
- QUANTOS ANOS TENS?
-61- RESPONDEU ELA
-ORA POIS, NÃO TENS CABELOS BRANCOS? CONTE-ME O SEGREDO...
-PINTO DE PRETO - DISSE ELA

-QUERIDA, PODERIA ME PASSAR O TELEFONE DELE????

ATENÇÃO BRASIL! A NAÇÃO CORRE PERIGO!



ATIVISTAS AMBIENTAIS ESTEJAM ALERTAS!

Projeto que autoriza exploração de recursos minerais em terra indígena avança na Câmara - As reservas indígenas do país poderão ter suas portas abertas para a exploração de recursos minerais, uma prática que hoje é proibida por lei. O tema polêmico ficou no limbo durante quase duas décadas, mas voltou à baila.

quarta-feira, 27 de março de 2013

FELIZ PÁSCOA!


HÁ RISCO DE CONFLITO, ADVERTE MPF

 

MPF/PA pede suspensão de operação armada para estudos de impacto das usinas do Tapajós

Para o MPF, há risco de conflito porque as consultas indígenas não foram realizadas. Em dezembro passado, um índio foi morto na Terra Munduruku durante uma operação policial
O Ministério Público Federal pediu à Justiça Federal em Santarém que impeça a realização de uma operação policial do governo federal, marcada para essa semana, nas proximidades da Terra Indígena Munduruku, onde está planejada a usina hidrelétrica São Luís do Tapajós.
A operação foi confirmada pela Fundação Nacional do Índio (Funai) e pela Superintendência Regional da Polícia Federal. O contingente armado que se dirigiu ontem, 25 de março, para a região seria de 60 agentes da PF, Polícia Rodoviária Federal e Força Aérea Brasileira, de acordo com as informações iniciais para garantir a realização dos estudos de impacto da usina.
Para o MPF, a operação, que está sendo chamada de Operação Tapajós, não pode ocorrer porque o licenciamento ambiental da usina está suspenso pela mesma Justiça por falta das consultas prévias aos índios. “A operação é patente violação à decisão da Justiça”, diz o documento enviado ontem para a apreciação do juiz federal de Santarém José Airton Portela.
Mas a maior preocupação do MPF é com o clima de conflito na região. “Há perigo de dano irreparável com a realização da operação ora noticiada, seja porque impera na região muita desinformação (até mesmo pela ausência da consulta prévia), seja porque a referida operação apresenta um potencial lesivo desproporcional”, diz o documento enviado à Justiça.
Os procuradores da República Felipe Bogado, Fernando Antônio de Oliveira Júnior e Luiz Antonio Amorim temem, com a operação, “a repetição de lamentáveis incidentes históricos como o ocorrido na Operação Eldorado, que culminou com a morte de um indígena, além de inúmeros feridos entre indígenas e agentes públicos”. Os procuradores são responsáveis pela investigação dos acontecimentos da operação Eldorado que deixou um indígena morto em dezembro do ano passado, na Terra Indígena Munduruku.
Assessoria de Comunicação
Ministério Público Federal no Pará
Imagem - RP

NADA NA VIDA ACONTECE POR ACASO


cid:_2_082644A4082641E40037E12E83257728
cid:_2_08264730082641E40037E12E83257728
cid:_2_082649BC082641E40037E12E83257728
Senhor, está muito pesada, vou cortar um pedaço...
cid:_2_08264C6C082641E40037E12E83257728
cid:_2_08264EF8082641E40037E12E83257728
cid:_2_08265184082641E40037E12E83257728
cid:_2_08265410082641E40037E12E83257728
Senhor, cortarei um pedacinho mais... Eu assim poderei carregá-la melhor...
cid:_2_082656D8082641E40037E12E83257728
cid:_2_08265964082641E40037E12E83257728
Senhor , muito obrigado....
cid:_2_08265C00082641E40037E12E83257728
cid:_2_08265E8C082641E40037E12E83257728
cid:_2_08266118082641E40037E12E83257728
Use sua cruz como ponte, atravesse e siga em frente....
cid:_2_08266410082641E40037E12E83257728
Ahhhhh! É muito pequena a minha cruz, eu não posso atravessar.....
cid:_2_082666D0082641E40037E12E83257728
Nada nesta vida é por acaso!
Muitas vezes, queremos nos livrar da "cruz"  que nos é dada,
mas para tudo tem um 'para quê' e um 'por quê'...
Deus nunca nos manda algo que não possamos suportar...
E se formos abreviar estes caminhos, certamente teremos problemas!
Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus. 

___________
Encaminhado por: Walkia Azevedo Tertulino

MATÉRIA COMENTADA

Anônimo deixou um novo comentário sobre a sua postagem "PENALIZADOS":

Meu amigo Walter parabens pelas materias vinculadas no seu blog de longe o melhor blog da regiao. Lamento ainda pela situação dos, como lamento pela situação dos Guarani Kaiowa, os Guarani que foram expulsos do museu do indios no rio de Janeiro, e tantos outros povos oprimidos e especialmente pelos queridos Munduruku. Voce viu a chegada dos homens da força nacional em Itaituba onde muito se especulou a respeito da questão exploração da madeira dentro da reserva , a questão da garimpagem desenfrada no Tapajós... Mas que nada, eles vieram foi garantir o estudo do EIA Rima das barragens no Tapajós! A exemplo do que o Ministro Edson Lobão enviou tropas da segurança nacional para Belo Monte para garantir a ordem. vejam bem, Povo Munduruku acordem voces nao veem que estao lutando contra o Levatã? deixem de emprenhar-se pelos ouvidos de quem os esta levando ao caos, a guerra, essas pessoas tem suas noias pessoais contra o sistema e usam estas causas como valvula de escape de seus recalques internos, e voces correm o risco de nao adquirirem nada em troca... Vejam o que voces ainda podem conseguir de indenização, de alojamento, de projetos de investimentos a médio prazo para as pessoas das 16 aldeias que serao inundadas por estas barragens. Entendam são muitas empresas, muito dinheiro e enormes interesses por tras destes projetos e ainda contam como o aval e o apoio do governo federal nao é brincadeira não.! Voces esqueceram Teles Pires esses caras nao brincam em serviço, e depois voces ja receberam alguma indenização pela morte do Adenilson Kirixi e seus pertencem que foram destruidos alguem os indenizou? Então sentem na mesa para negociar! ações como esta ja se viu em todo Brasil e todas aconteceram desde Tucurui, Santo antonio e Jirau agora Belo monte e a Bola da vez o Tapajos. Desvendado o mistério da força nacional em Itaituba e estao chegando mais soldados... 
______________
A postagem acima mostra o conteudo ( comentario )  da materia postada em data pretérita  com o titulo de PENALIZADOS. Postamos preservando seu inteiro teor.

terça-feira, 26 de março de 2013

PENALIZADOS

Caos na Saúde: descaso revolta comunidade indígena em Novo progresso

BI: Revolta contra a Saúde Público de novo Progresso

 “As ações de irresponsabilidade administrativa chegou ao limite na cidade de Novo Progresso. Cerca de 60 índios da aldeia Caiapó ficaram revoltados com a falta de atendimento a uma criança indígena de apenas 22 dias que quase vai a Óbito”.  
O fato foi registrado pelo jornalista e blogueiro Reginaldo Ribeiro que acompanhou a revolta dos Caiapós.
Era por volta das 22 horas desta segunda-feira, o caso envolveu um medico recém contratado pelo prefeito Osvaldo Romanholi, o madeireiro e uma criança da tribo de apenas 22 dias que chegou com sérios problemas de saúde e foi mandado de volta para ser tratado em sua( Aldeia, na Oca ou na Casa do índio), ai a razão da revolta indígena.    
Imediatamente cerca de 60 índios revoltados, além de moradores e comerciantes se juntaram para protestar em frente ao Hospital Municipal da cidade. “Eles só queria o direito básico deles, explicou o jornalista”. 
Índios Caiapós se revoltaram em frente ao Hospital Municipal

segunda-feira, 25 de março de 2013

-QUE CULTURA!

Obs. Surrupiado do blog do confrade J. Parente

PARÁ VAI ATRÁS DE TURISTAS NA EUROPA

segunda-feira, 25 de março de 2013

Para atingir a meta de tornar o Pará o destino líder em turismo da Amazônia até 2020, a Companhia Paraense de Turismo (Paratur), não tem medido esforços para promover e divulgar os produtos e recursos turísticos do Estado na Europa, países escandinavos, América do Norte e América do Sul,  pontados como prioridade pelo Plano Ver-o-Pará. 

Neste primeiro semestre, segundo a presidente da Paratur, Socorro Costa, a Europa foi alvo principal das ações, que chegaram à Portugal, França, Inglaterra e Alemanha, entre outros países. 
Além de concentrar esforços participando da BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa, maior feira de turismo daquele continente e que reuniu cerca de 70 mil visitantes, de 27 de fevereiro a 3 de março, entre operadores de turismo, agentes de viagens, representações institucionais e outras marcas fortes do turismo mundial, a Paratur também investiu em outras estratégias, a exemplo do filme alemão Perdidos na Amazônia, que teve o Pará como cenário entre outubro e dezembro de 2012 e deve chegar aos cinemas da Europa, via canal alemão ZDF, em abril, para cerca de 10 milhões de telespectadores.


Fonte: Blog Turismo Paraense.

ISSO MESMO!


HOMENS DA FORÇA NACIONAL JA ESTÃO EM ITAITUBA

Transcrito do Portal Buré

Pouso no final da tarde de domingo (24) avião Hercules 130 da Força Aérea, conduzindo dezenas de integrantes da Força Nacional, que logo que chegaram, foram direto do avião militar para 4 caminhões de transporte do exercito. Hoje (25) pela manhã as informações foram que; os militares da Froca Nacional, seguiram para área garimpeira, onde deverá ser realizado operação de repressão ao garimpo ilegal.
Durante algum tempo foi ventilado a possibilidade dessa operação, que agora com a chegada dos militares da Força Nacional, virou realidade, segundos muitos, se faz necessário uma intervenção federal em algumas áreas, já que estaria sendo realizados crimes ambientais.

E AGORA DOUTOR!?


O médico alemão diz:
Na Alemanha, fazemos transplantes de dedo. Em 4 semanas o paciente está procurando emprego.

O médico espanhol afirma:
A medicina espanhola é tão avançada que conseguimos fazer um transplante de cérebro. Em 6 semanas o paciente está procurando emprego.

O médico russo diz:
Fazemos um transplante de peito. Em 1 semana o camarada pode procurar emprego.

O médico grego disse: 
Temos um trabalho de recuperação de bêbados. Em 15 dias o indivíduo pode procurar emprego.

O médico brasileiro diz orgulhoso:
Isso não é nada! No Brasil, nós pegamos um cara sem dedo, sem cérebro, sem peito e chegado a uma pinga, colocamos na presidência da república e agora o país inteiro está procurando emprego.

TRATOR DE JACAREACANGA ATROPELA E SAGRA-SE CAMPEÃO DAS AMÉRICAS

DAVID TRATOR
Competir é um direito de todos... Vencer, é privilégio de poucos... David Nasson, Campeão das Américas.
Competir é um direito de todos... Vencer,  é privilégio de poucos... David Nasson, Campeão das Américas.
Curtir · · · Sábado às 22:58 via celular ·